Magé é destaque no Fórum Mundial Niemeyer

A cidade de Magé foi um dos estudos de caso apresentados durante o I Fórum Mundial Niemeyer que aconteceu no Teatro Adolpho Bloch, na Glória, no Rio de Janeiro.   A cidade recebeu destaque durante a palestra de Denise Vogel, arquiteta e urbanista, Diretora de Planejamento e Projetos Urbanos do Instituto Niemeyer, que abordou o tema Urbanismo Transescalar durante o Fórum que começou na terça-feira (16) e terminou na sexta-feira (19).

Ela destacou a importância da região metropolitana, em especial, o Arco Metropolitano na busca por novos arranjos urbanos revelando a importância da área que abrange 21 municípios com 12,5 milhões de habitantes, ou seja, 75% da população do estado.

“Precisamos puxar a ocupação para o sul. Ainda temos muita área para ocupar. Precisamos fazer do Arco um estimulo para ocupar o sul e não o norte e da forma mais ecológica, organizada, pró ativa e sustentável possível. Estudando o Arco, vejo Magé com um território fantástico entre o Arco e a Baia de Guanabara. Ela pode ser uma cidade modelo – um projeto para atrair pessoas, negócios, serviços, educação, ou seja, modelo de convívio”, explicou Denise.

Dentro deste contexto, a cidade de Magé foi selecionada como slow citeis com fab labs, que é uma cidade voltada para as pessoas com conjuntos de laboratórios públicos onde estas pessoas podem participar da cadeia produtiva. Estas áreas urbanas são criadas com o objetivo de minimizar a fragmentação urbana. Em uma apresentação áudio visual a arquiteta apresentou o projeto e terminou justificando: “Parece utópico, mas é possível sonhar”.

O evento também foi marcado pela presença do Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, que fechou o terceiro dia de palestras falando sobre habitação e demanda por moradias que o Brasil terá nos próximos 22 anos.

“É fundamental que a gente tenha conhecimento dos nossos desafios, das nossas missões, e que realize um esforço conjunto entre sociedade, setores públicos e privados para zerar o déficit habitacional e garantir moradias digna”, destacou o ministro.

O Deputado Federal Suplente, Zé Augusto Nalin, também participou do evento durante a palestra do ministro.

“Nosso Brasil tem muitas demandas de moradia e nosso Estado reflete esta realidade. E a iniciativa do Instituto Niemeyer em debater cidades e humanidades, arquitetura e sustentabilidade, planejamento urbano e social, mobilidade e cidade inteligente lançando o I Fórum Mundial Niemeyer é de extrema importância. O encontro revelou também nossa importância como cidade – Magé sendo estudo de caso e revelando seu potencial de investimento”, destacou Nalin.

O secretário de Obras de Magé, Geovane Jordão, representou o município todos os dias do evento.  “Participar do l Fórum Mundial Niemeyer foi um marco para minha vida profissional e superou todas as minhas expectativas, pois, além de agregar valor ao meu capital intelectual na área de Administração Pública, me vi sonhando com a cidade de Magé inteligente, impactada com grandes obras urbanísticas sustentáveis e, sem dúvidas, com inusitadas obras artísticas, afinal, sonhar não custa nada. Quem sabe um dia estas obras se tornem realidades. Quem sabe!”

A arquiteta e urbanista da Secretaria de Habitação de Magé, Nair Paulo Cabral, também representou a cidade.  “O Fórum foi um marco para a arquitetura brasileira, onde questões urbanas foram discutidas com o propósito de estimular e apresentar novas soluções para conflitos atuais, e os que podem surgir se não estiver um bom planejamento.  Fiquei muito feliz por Magé, minha cidade, ter sido estudo de caso para a proposta de um bairro ecológico, valorizando o potencial local que é a pesca e o turismo, incluindo a tecnologia. Para muitos este projeto pode ser utópico, para mim um sonho que pode ser realizado a médio e longo prazo. ‘A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem’, como dizia Oscar Niemeyer”,

Ao final do evento foi lançado o Prêmio Global Niemeyer que vai promover as excelências de ações e projetos de políticas urbanas culturais e científicas pretendendo honrar o legado de Oscar Niemeyer. Serão oito categorias premiadas, dando voz a projetos de: arquitetura e humanismo, soluções urbanas e responsabilidade social, artes de cunho social, ciência e tecnologia a serviço da sociedade, esporte solidário, acessibilidade, personalidade do ano no âmbito da questão que o Instituto prega e sustentabilidade.  O objetivo é ser um Nobel de Políticas Urbanas sustentáveis e será entregue a cada ano. A primeira edição acontecerá em outubro de 2020 com inscrições a partir de 15 de dezembro de 2018 (data comemorativa de aniversário de Oscar Niemeyer).

Outra grande novidade que o Fórum anunciou foi a criação da Escola Niemeyer que abrirá em fevereiro de 2019.

Para o presidente do Instituto Niemeyer, Paulo Sérgio Niemeyer, presidente do Instituto Niemeyer, bisneto de Oscar Niemeyer, o Fórum alcançou a proposta ao debater o assunto com a presença de 31 palestrantes do Brasil, França, EUA, Espanha e Colômbia.

“O resultado que deixamos tem haver com a proposta do Instituto que é fomentar e difundir o legado dos pensamentos e da humanidade”, concluiu.

SHARE